Dia Mundial da Conscientização da Trombose

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte prevenível em todo mundo. Entre os problemas cardiovasculares que mais matam estão o ataque cardíaco, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e o Tromboembolismo (TEV). Dia 13 de outubro é a data internacional de conscientização da trombose, que tem como objetivos aumentar a conscientização sobre a doença, reduzir o número de casos não diagnosticados, incrementar medidas para prevenção baseada em evidências, incentivar sistemas de saúde de forma a criar estratégias para garantir as melhores práticas de prevenção, diagnóstico e tratamento e incrementar os recursos adequados para estas ações e o apoio à pesquisa para reduzir a carga da trombose. A campanha global é liderada pela Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia (Internacional Society on Thrombosis And Haemostasis – ISTH) e reforça a importância da prevenção e tratamento adequado do tromboembolismo venoso (TEV).

Para comemorar a data, o Proqualis entrevistou a médica Claudia Tavares Regadas, membro do Núcleo de Segurança do Paciente do Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (HSFE) e colaboradora do Projeto de Pesquisa “Desenvolvimento e avaliação de uma estratégia para implementação da Lista de Verificação (checklist) de Cirurgia Segura da OMS”, liderada pela Fiocruz, em parceria com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Hospital Federal dos Servidores do Estado (HFSE). Claudia lidera a implementação de práticas para prevenção do tromboembolismo venoso no HSFE.

 Proqualis – Quais as estratégias estão sendo adotadas pelo HFSE para a prevenção do TEV?

Claudia – O tromboembolismo venoso é umas das maiores causas de morte prevenível nos hospitais. Sua prevenção é um desafio, que no Hospital Federal dos Servidores do Estado do RJ está sendo liderado pelo Núcleo de Segurança do Paciente. Para implementar medidas de prevenção e controle do TEV, seguimos propostas do artigo Como implementar uma diretriz – da teoria à prática: exemplo da profilaxia para Tromboembolismo Venoso (PAIVA, ROCHA, 2009) para discutir as barreiras e implementar estratégias. Fizemos um mapeamento para identificar o perfil dos pacientes quanto ao risco do tromboembolismo na unidade. Propomos a criação da Comissão de Profilaxia de TEV e estamos alinhando a avaliação do risco individual do paciente para a TEV com foco nas condições do paciente e não no diagnóstico da internação ou no procedimento cirúrgico proposto. A princípio a avaliação está sendo feito para o grupo de pacientes cirúrgicos. Mas, a finalidade é que a avaliação e as medidas sejam incorporadas por todo hospital.

Continue reading

Advertisements

Secretaria de Estado da Saúde lança o movimento #secuidaSC

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), lança nesta quinta-feira, em entrevista coletiva. às 9h, com o secretário de Estado da Saúde, João Paulo Kleinübing, no 8º andar da Secretaria de Estado da Saúde (Rua Esteves Júnior, 160), o movimento #secuidaSC, que pretende incentivar e mobilizar os catarinenses a cultivarem hábitos saudáveis e cuidarem mais da saúde.

secuidasc

O movimento envolverá a realização de diversas ações de promoção da saúde durante os meses de outubro e novembro, períodos já marcados, respectivamente, pelas campanhas de prevenção do câncer de mama (Outubro Rosa) e de câncer de próstata (Novembro Azul). Também participarão da entrevista o superintendente de Vigilância em Saúde, Fábio Gaudenzi de Faria; o diretor da Vigilância Epidemiológica, Eduardo Macário; e a gerente de Vigilância de Agravos, Gladis Helena da Silva.

O movimento #secuidaSC será voltado à promoção da saúde, com ênfase em fatores de risco e de proteção associados às principais doenças crônicas não transmissíveis observadas nas mulheres e nos homens, como doenças cardiovasculares, câncer, doenças respiratórias crônicas e diabetes. O objetivo é estimular a alimentação saudável, a prática da atividade física, a redução do consumo de álcool e do tabagismo, práticas que ajudam a prevenir doenças crônicas não transmissíveis.

As ações envolvem a divulgação de informações sobre promoção da saúde, estimulando seu compartilhamento por meio das redes sociais e aplicativos; o lançamento do site www.secuidasc.sc.gov.br; a publicação de reportagens com dados estatísticos sobre as doenças crônicas não transmissíveis mais incidentes em homens e mulheres; e a organização de dois grandes eventos: o primeiro, no dia 15 de outubro, com foco no estímulo à alimentação saudável e à prática da atividade física; e no dia 26 de novembro, com ênfase na redução do consumo de álcool e na cessação do tabagismo; ambos no Parque de Coqueiros, em Florianópolis, das 9h às 13h.

O movimento #secuidaSC promovido pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina contará com o apoio de diversos parceiros na oferta de serviços e informações à população, entre eles o artista plástico Luciano Martins, que desenvolveu personagens exclusivos para o movimento #secuidaSC.

Os dados epidemiológicos indicam que os principais fatores de risco das doenças e agravos mais recorrentes entre as mulheres são a má alimentação e a falta de atividade física. Entre os homens, o uso abusivo de álcool e o tabagismo estão entre os fatores prevalentes.
Em Santa Catarina, dos 39.242 óbitos relatados em 2015 por todas as causas, 28.839 foram devidos a doenças crônicas não transmissíveis, o que equivale a 73,5% do total. Destes, as doenças cardiovasculares foram responsáveis por 10.666 mortes (27%), principalmente o infarto agudo do miocárdio, o acidente vascular cerebral e a insuficiência cardíaca. As neoplasias responderam por 8.235 do total de mortes (21%), sendo mais prevalentes entre os homens o câncer de pulmão e o de próstata, e entre as mulheres o câncer de mama e o de pulmão. As doenças respiratórias crônicas responderam por 2.669 mortes (6,8%), principalmente as doenças pulmonares obstrutivas crônicas, e o diabetes mellitus por 1.759 (4,5%).

“Vida sedentária, alimentação com alto teor calórico e o consumo de álcool e de tabaco são comportamentos que interferem diretamente nos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis, como excesso de peso e obesidade, pressão arterial elevada, aumento dos níveis de glicose e colesterol. Estes fatores podem levar ao desenvolvimento do diabetes, das doenças cardiovasculares e de diversos tipos de câncer. A partir dos 50 anos de idade, o risco de morte por doenças crônicas não transmissíveis quase triplica. Isto demonstra que a adoção precoce de hábitos saudáveis é fundamental para mudança deste panorama”, alerta a médica Jane Laner Cardoso, chefe da Divisão de Doenças e Agravos Não Transmissíveis da Vigilância Epidemiológica.

 Fonte: Secretaria de Estado da Saúde

OUTUBRO ROSA | Alimentação saudável e exercícios ajudam a combater câncer de mama

Comer frutas e legumes, beber muita água e fazer exercícios são hábitos indicados para prevenir doenças, mas nem sempre é fácil encaixá-los na rotina. Na campanha contra o câncer de mama de 2016, a Sociedade Brasileira de Mastologia vai frisar a importância de uma vida saudável como forma de combater o câncer de mama. Este ano, a estimativa é que 60 mil brasileiras sejam diagnosticadas com a doença, que é a que mais mata mulheres no país.

A campanha contra o câncer de mama da SBM começou hoje (1º) com o tema “A vida pede atitude. Movimente-se: faça mamografia anualmente”, e destaca que o diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento rápido e a cura da doença. A iniciativa foi pensada a partir de pesquisa recente da entidade, que mostra que o risco de desenvolver a doença aumenta em mulheres com excesso de gordura corporal no abdômen na pré e na pós-menopausa.

A coordenadora da pesquisa, Jordana Carolina Marque Godinho Mota, que comparou grupos de mulheres atendidas no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás, disse que os alimentos saudáveis ajudam a regular o metabolismo. Por outro lado, produtos açucarados, industrializados e gordurosos desregulam as funções do corpo.

“A alimentação inadequada altera hormônios corporais, como, por exemplo, a insulina. Quando aumenta a quantidade de insulina que o corpo precisa para absorver a açúcar no corpo essa insulina pode agir na mama causando alteração, favorecendo o câncer”, explicou.

Com base nos dados, a pesquisadora constatou que a chance de desenvolver o câncer de mama cai de 74% para 49% em quem tem uma vida saudável. Ela recomenda que as mulheres já saiam de casa com a alimentação planejada para o dia todo, fazendo pequenas refeições a cada três horas, em média, evitando alimentos industrializados, refrigerantes, frituras e gorduras. As medidas, segundo Jordana, também valem para as pacientes que estão no tratamento contra a doença.

A SBM também incentiva os médicos a fazerem um atendimento completo, com paciência, além de defender ampliação do acesso à mamografia, exame que depende aparelho específico. Outra preocupação da entidade é a diminuição do tempo entre o diagnóstico e o tratamento, que não pode passar de 60 dias. As mulheres também têm direito a uma cirurgia reparadora, se necessário.

Mulheres com mais de 40 anos devem fazer exames anuais. “De um ano para o outro, um caroço pode aumentar muito e dificultar o tratamento”, disse a pesquisadora.

Dicas de hábitos saudáveis para evitar o câncer de mama:

. Comer a cada três horas, em pequenas quantidades
. Priorizar alimentos naturais e evitar os industrializados
. Evitar açúcar e carboidratos, especialmente refrigerantes, pão branco e macarrão
. Reduzir a ingestão de gorduras
. Comer proteínas, frutas legumes e verduras

Fonte: EBC

Dormir na postura correta favorece saúde do corpo inteiro

Especialistas advertem sobre conseqüências de dormir de forma incorreta

dormindoPassamos aproximadamente um terço de nossa vida dormindo. Dormir bem é essencial para melhorar a qualidade de vida e até aumentar a longevidade. Sem o merecido descanso, o organismo deixa de cumprir uma série de tarefas importantíssimas. Especialistas acreditam que a principal peça dessa engrenagem é a melatonina – hormônio produzido no cérebro pela glândula pineal. Ele começa a ser secretado assim que o sol se põe, como um aviso para o organismo se preparar para dormir. Portanto, é durante o sono, que todo o corpo se recompõe e se prepara para o dia seguinte.

“O momento do sono é reparador e se tomarmos alguns cuidados com a postura, poderá fazer uma grande diferença para a saúde de nosso corpo como um todo. Dormir alinhado e na postura mais adequada, que é a de lado, poderá interferir positivamente na qualidade do nosso sono”, afirma a fisioterapeuta Silmara Rodrigues Bueno, pesquisadora em postura do sono. “A postura correta ao dormir, com o auxílio do travesseiro correto para o seu biótipo, favorece a anatomia fisiológica da coluna vertebral e esta anatomia irá contribuir com o alinhamento do corpo para chegar mais próximo da postura fisiológica humana, evitando rotações, trações, hiperextensões no funcionamento correto de todo o corpo”, afirma a fisioterapeuta.

Outra vantagem também da postura lateral é na prevenção de roncos e até mesmo nos casos de apnéia do sono, que são caracterizadas por interrupções breves e repetidas da respiração quando estamos dormindo.  “Dormir de barriga para cima é uma das causas que pode provocar a apnéia, pois esta posição gera um grande estreitamento das vias respiratórias”, assegura o médico Drº Flávio Aloé que é Neurologista e Neurofisiologista do Sono e Médico Especialista em Medicina do Sono pela Sociedade Brasileira de Sono.

Outro ponto a ser destacado é o ronco que também é um distúrbio do sono causado pela má postura ao dormir, pois a língua cai sobre a glote dificultando a troca gasosa. “A postura lateral facilita então esta troca gasosa que ocorre durante o sono e diminui o ronco”, afirma Dr. Flávio.

Dormir na postura correta acarreta benefícios para todo o organismo a curto, médio e mesmo a longo prazo. Um exemplo é a influência da postura ao dormir desde criança para a saúde bucal. Durante o sono, o corpo libera o hormônio do crescimento, o GH, e dormindo na postura inadequada, sua coluna fica desalinhada e consequentemente ocorre o desalinhamento esquelético, acarretando no desalinhamento maxilar, dentes, mandíbula e até da face. “É fundamental que os pais se preocupem, com a postura correta das crianças para evitar futuros problemas bucais. A postura alinhada faz toda a diferença no desenvolvimento da dentição e na respiração noturna e na formação do esqueleto axial da criança”, comenta Silmara Bueno.

Fonte: Bem Paraná

OUTUBRO ROSA | Número de mamografias aumenta em 37% no país

Os exames passaram de 1,6 milhão para 2,2 milhões, no comparativo entre o primeiro semestre de 2010 e 2016. Na faixa etária de maior incidência (50 a 69 anos), o crescimento foi de 64%

Nos últimos anos, o acesso a exames de detecção precoce do câncer de mama no Sistema Único de Saúde (SUS) tem avançado. Os dados foram apresentados nesta quinta-feira (6), no Rio de Janeiro (RJ), durante o lançamento da campanha nacional do Outubro Rosa do Ministério da Saúde e Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). As mamografias no país cresceram 37%, no comparativo entre os primeiros semestres de 2010 e 2016, passando de 1,6 milhão para 2,2 milhões. Na faixa etária de 50 a 69 anos (faixa etária prioritária), o aumento foi ainda maior no período (64%), saindo de 854 mil para 1,4 milhão de mamografias.

35e24498-4d5c-4642-993c-594406d4f3e3

Na comparação com anos fechados, o aumento foi de 36% entre 2010 (3 milhões) e 2015 (4,1 milhões). Já as mamografias realizadas na faixa etária prioritária aumentaram 61% entre 2010 (1,5 milhão) e 2015 (2,5 milhões). O rastreamento é uma estratégia de detecção precoce utilizada em políticas públicas para populações-alvo específicas a fim de reduzir a mortalidade por uma determinada doença.

O INCA estima 57 mil casos novos de câncer de mama em 2016. O SUS garante a oferta gratuita de exame de mamografia para as mulheres brasileiras em todas as faixas etárias, desde que exista recomendação médica. A faixa dos 50 aos 69 anos é definida como público prioritário para a realização do exame preventivo pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e seguida pelo Ministério da Saúde baseado em estudos que comprovam maior incidência da doença e maior eficiência do exame.

Para tratar o câncer de mama, o SUS oferece cirurgias oncológicas (mastectomia, conservadoras e reconstrução mamária), radioterapia e quimioterapia.  Em 2015, foram 18.537 mastectomias e cirurgias conservadoras, 2,9 milhões de procedimentos de radioterapia e 1,4 milhão de sessões de quimioterapia, além de 3.054 cirurgias de reconstrução mamária.

Desta forma, o Ministério da Saúde tem garantido investimento crescente na assistência ao câncer de mama, com ampliação de 31% dos recursos nos últimos cinco anos, totalizando R$ 599 milhões em 2015. A prevenção da doença também teve um aumento de 15% no mesmo período, passando de R$195,3 milhões para R$ 224,7 milhões.

CAMPANHA – Para alertar as mulheres e descontruir os mitos associados ao câncer de mama, o Ministério da Saúde e o INCA lançaram um hotsite (www.inca.gov.br/outubro-rosa) específico da campanha. A ideia é informar e conscientizar sobre a doença e proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento para a redução da mortalidade.

A campanha “Câncer de mama: vamos falar sobre isso?” tem como um dos objetivos enfatizar a importância de a mulher ficar atenta a alterações suspeitas nas mamas. Os principais sinais e sintomas do câncer de mama são: caroço (nódulo) fixo, endurecido e, geralmente, indolor; pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja; alterações no bico do peito (mamilo); pequenos nódulos na região embaixo dos braços (axilas) ou no pescoço ou saída espontânea de líquido dos mamilos.

A ação promovida pelo Instituto conta com materiais gráficos, como cartaz, cartilha e filipeta, que pretendem esclarecer os benefícios e malefícios da realização da mamografia, além de recomendações que podem contribuir para a redução do risco do desenvolvimento de diversas doenças, inclusive o câncer de mama, como manter uma alimentação saudável, praticar atividade física regularmente e evitar o consumo de bebidas alcoólicas.

Fonte: Ministério da Saúde

Encontro discute como ajudar população a consumir mais ‘comida de verdade’

O Representante da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), Joaquín Molina, participou nesta terça-feira (4) do XIV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. O evento ocorre até quinta-feira na sede da OPAS/OMS, em Brasília. “A má alimentação está vinculada à cada vez mais dramática epidemia de obesidade. Precisamos de intervenções efetivas e a reunião anual da rede de nutrição do SUS é sem dúvida um espaço ideal para discutir sobre como podemos contribuir para esse tema”, disse Molina.

Durante o evento, a chef Rita Lobo, apresentadora do programa Cozinha Prática no GNT, e o professor Carlos Augusto Monteiro, da Universidade de São Paulo (USP), apresentaram o curso “Comida de Verdade”. A iniciativa é baseada no Guia Alimentar para a População Brasileira, feito pelo Ministério da Saúde com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS). “Fizemos o curso para explicar o que é alimentação saudável e propor soluções para todos os obstáculos, como a pessoa que mora sozinha ou as famílias que acreditam ser da mulher a responsabilidade pela alimentação de todos. Sabemos que é inviável uma só pessoa ser responsável pela alimentação da família toda”, disse Rita.

Segundo Carlos Monteiro, no processo de construção do Guia Alimentar foi identificado que, em todas as regiões brasileiras, as pessoas com padrões mais próximos da alimentação tradicional eram as que se alimentavam melhor e tinham melhores condições de saúde. “Quando identificamos que eram esses alimentos minimamente processados que deviam ser a base da alimentação saudável constatamos que a maioria desses alimentos precisam ser preparados, cozinhados. E aí verificamos uma necessidade muito grande de o Guia valorizar as preparações culinárias e identificar os obstáculos para que as pessoas cozinhem mais e comam comidas preparadas por outros seres humanos e não máquinas”.

O ministro da Saúde do Brasil, Ricardo Barros, afirmou que o governo tem dado maior ênfase à prevenção e promoção da saúde. “Melhor do que ser muito bem atendido em um posto de saúde é não precisar ir lá. Então, a alimentação saudável e o exercício físico são a base dessa prevenção e promoção da saúde. Precisamos ensinar as crianças a manipular os alimentos, a descascar mais e desembalar menos”.

Alimentação saudável
Alimentos in natura são aqueles obtidos diretamente de plantas ou de animais e adquiridos para consumo sem que tenham sofrido qualquer alteração após deixarem a natureza, como folhas e frutos ou ovos e leite. Alimentos minimamente processados são alimentos in natura que foram submetidos a alterações mínimas, a exemplo dos grãos secos polidos ou moídos na forma de farinhas, cortes de carne resfriados ou congelados e leite pasteurizado.

Os alimentos processados (queijo, pães, geleias, frutas em calda) são produtos relativamente simples, fabricados essencialmente com a adição de sal ou açúcar ou outra substância de uso culinário como óleo, a um alimento in natura ou minimamente processado. Devem ser consumidos em pequenas quantidades e como ingredientes ou parte de refeições baseadas em alimentos in natura ou minimamente processados.

Outro hábito essencial é evitar os alimentos ultraprocessados, que estão fortemente associados a sobrepeso, obesidade e doenças crônicas não transmissíveis. Entre eles, estão vários tipos de biscoitos, sorvetes, misturas para bolo, barras de cereal, sopas, macarrão e temperos “instantâneos”, salgadinhos “de pacote”, refrescos e refrigerantes, iogurtes e bebidas lácteas adoçadas e aromatizadas.

Década
A Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou no dia 1º de abril a Década de Ação das Nações Unidas sobre Nutrição, de 2016 a 2025. A resolução visa desencadear uma ação intensificada para acabar com a fome e erradicar a desnutrição em todo o mundo, além de assegurar o acesso universal a dietas mais saudáveis e sustentáveis.

Sobrepeso e obesidade
Cerca de 800 milhões de pessoas apresentam subnutrição crônica e 159 milhões de crianças menores de cinco anos de idade estão desnutridas. Aproximadamente 50 milhões de crianças menores de cinco anos têm baixo peso em relação à altura, mais de dois bilhões de pessoas sofrem de deficiências de micronutrientes e 1,9 bilhão são afetadas por excesso de peso, das quais mais de 600 milhões são obesas. A prevalência de sobrepeso e obesidade está aumentando em quase todos os países.

Fonte: OMS

OUTUBRO ROSA | Cepon promove atividades de conscientização para marcar o Outubro Rosa

O Centro de Pesquisas Oncológicas (Cepon) promove nesta segunda-feira, 10, uma aula de maquiagem a pacientes da instituição e na terça-feira, 11, com apresentação da banda da Marinha do Brasil, fará a entrega de lenços e chapéus. As atividades fazem parte da programação do Outubro Rosa e visam a elevar a autoestima das mulheres em tratamento contra o câncer.

A aula de maquiagem ocorrerá das 9h às 12h, e a entrega dos assessórios, a partir das 16h, ambas no complexo hospitalar do Centro, na Rodovia Admar Gonzaga, 655, no Bairro Itacorubi.

O Cepon é um serviço de referência no tratamento oncológico em Santa Catarina e centro de referência da Organização Mundial da Saúde (OMS) para medicina paliativa no Brasil. A unidade realiza, em média, por mês, 120 internações e 6.650 consultas médicas; atende mensalmente 2.750 pacientes em tratamento de quimioterapia e 180 em tratamento de radioterapia; e faz seis transplantes de medula óssea e 150 cirurgias de média complexidade por mês.

A programação do Outubro Rosa do Cepon começou dia 3 e vai até o dia 27. Durante a Fenaostra, que ocorre até quarta-feira, 12, no CentroSul, no Centro da Capital, a instituição mantém um estande para distribuição e exibição de materiais educativos sobre câncer, principalmente de mama e de próstata.

Entre outras atividades, também estão previstas para este mês uma apresentação do coral do Tribunal de Contas, que visitará o Cepon no dia 18; uma caminhada pela Avenida Beira-Mar no dia 23 à tarde; a campanha Estacionou, Doou, dia 26, no Shopping Iguatemi, com arrecadação revertida para a instituição e no dia 27, à tarde, a apresentação do Coral da UFSC.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca),  o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do câncer de pele não-melanoma, e responde por cerca de 25% dos casos novos a cada ano.

Em 2016, para o Brasil, são esperados 57.960 casos novos de câncer de mama, com um risco estimado de 56,20 casos a cada 100 mil mulheres.

Não existe uma causa única para o câncer de mama, que é mais comum em mulheres (apenas 1% dos casos são diagnosticados em homens) e tem na idade um dos mais importantes fatores de risco para a doença. Cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos. O câncer de mama de caráter genético/hereditário corresponde a apenas 5% a 10% do total de casos da doença.

Diversos fatores estão relacionados ao câncer de mama, entre elas obesidade e sobrepeso após a menopausa; sedentarismo; consumo de bebida alcoólica; não ter tido filhos; primeira gravidez após os 30 anos; não ter amamentado; parar de menstruar após os 55 anos; história familiar de câncer de ovário; vários casos de câncer de mama na família, principalmente antes dos 50 anos.

Fonte: Governo SC