OUTUBRO ROSA | Outubro rosa: como surgiu o termo e a importância da data

O movimento conhecido como Outubro Rosa nasceu nos Estados Unidos, na década de 90, para estimular a participação da sociedade no controle do câncer de mama. Atualmente, a data é celebrada em diversos países, através da iluminação de monumentos e prédios históricos na cor rosa, com o objetivo de chamar atenção para os avanços no tratamento da doença e conscientizar a população sobre a importância do rastreamento e do diagnóstico precoce – as evidências obtidas de estudos clínicos sugerem uma diminuição de 25% da mortalidade por câncer de mama com a realização de exames de rotina.

Visitar regularmente o mastologista, que deverá fazer o exame clínico das mamas e solicitar exames complementares, caso julgue necessário, é o mais recomendável. A mamografia se apresenta como exame eficaz e de baixo custo para o diagnóstico precoce. Para as mulheres com 40 anos em diante, a diretriz da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) recomenda a periodicidade anual desse exame.

O ultrassom das mamas serve como complemento à mamografia, principalmente em caso de mamas densas e para diferenciar cistos de nódulos benignos ou suspeitos; e a ressonância magnética é recomendada para o rastreamento em populações de alto risco, mulheres que fizeram radioterapia no tórax na idade entre 10 e 30 anos ou pacientes portadoras de mutação genética (como no gene BRCA).

A realização do autoexame (atualmente se fala em autoconhecimento das mamas) também é importante. Se a mulher notar qualquer alteração, mesmo já tendo realizado seus exames de controle anuais, ela deve procurar um mastologista.

Fonte: VEJA

Dia Mundial da Conscientização da Trombose

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte prevenível em todo mundo. Entre os problemas cardiovasculares que mais matam estão o ataque cardíaco, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e o Tromboembolismo (TEV). Dia 13 de outubro é a data internacional de conscientização da trombose, que tem como objetivos aumentar a conscientização sobre a doença, reduzir o número de casos não diagnosticados, incrementar medidas para prevenção baseada em evidências, incentivar sistemas de saúde de forma a criar estratégias para garantir as melhores práticas de prevenção, diagnóstico e tratamento e incrementar os recursos adequados para estas ações e o apoio à pesquisa para reduzir a carga da trombose. A campanha global é liderada pela Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia (Internacional Society on Thrombosis And Haemostasis – ISTH) e reforça a importância da prevenção e tratamento adequado do tromboembolismo venoso (TEV).

Para comemorar a data, o Proqualis entrevistou a médica Claudia Tavares Regadas, membro do Núcleo de Segurança do Paciente do Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (HSFE) e colaboradora do Projeto de Pesquisa “Desenvolvimento e avaliação de uma estratégia para implementação da Lista de Verificação (checklist) de Cirurgia Segura da OMS”, liderada pela Fiocruz, em parceria com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Hospital Federal dos Servidores do Estado (HFSE). Claudia lidera a implementação de práticas para prevenção do tromboembolismo venoso no HSFE.

 Proqualis – Quais as estratégias estão sendo adotadas pelo HFSE para a prevenção do TEV?

Claudia – O tromboembolismo venoso é umas das maiores causas de morte prevenível nos hospitais. Sua prevenção é um desafio, que no Hospital Federal dos Servidores do Estado do RJ está sendo liderado pelo Núcleo de Segurança do Paciente. Para implementar medidas de prevenção e controle do TEV, seguimos propostas do artigo Como implementar uma diretriz – da teoria à prática: exemplo da profilaxia para Tromboembolismo Venoso (PAIVA, ROCHA, 2009) para discutir as barreiras e implementar estratégias. Fizemos um mapeamento para identificar o perfil dos pacientes quanto ao risco do tromboembolismo na unidade. Propomos a criação da Comissão de Profilaxia de TEV e estamos alinhando a avaliação do risco individual do paciente para a TEV com foco nas condições do paciente e não no diagnóstico da internação ou no procedimento cirúrgico proposto. A princípio a avaliação está sendo feito para o grupo de pacientes cirúrgicos. Mas, a finalidade é que a avaliação e as medidas sejam incorporadas por todo hospital.

Continue reading

Secretaria de Estado da Saúde lança o movimento #secuidaSC

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), lança nesta quinta-feira, em entrevista coletiva. às 9h, com o secretário de Estado da Saúde, João Paulo Kleinübing, no 8º andar da Secretaria de Estado da Saúde (Rua Esteves Júnior, 160), o movimento #secuidaSC, que pretende incentivar e mobilizar os catarinenses a cultivarem hábitos saudáveis e cuidarem mais da saúde.

secuidasc

O movimento envolverá a realização de diversas ações de promoção da saúde durante os meses de outubro e novembro, períodos já marcados, respectivamente, pelas campanhas de prevenção do câncer de mama (Outubro Rosa) e de câncer de próstata (Novembro Azul). Também participarão da entrevista o superintendente de Vigilância em Saúde, Fábio Gaudenzi de Faria; o diretor da Vigilância Epidemiológica, Eduardo Macário; e a gerente de Vigilância de Agravos, Gladis Helena da Silva.

O movimento #secuidaSC será voltado à promoção da saúde, com ênfase em fatores de risco e de proteção associados às principais doenças crônicas não transmissíveis observadas nas mulheres e nos homens, como doenças cardiovasculares, câncer, doenças respiratórias crônicas e diabetes. O objetivo é estimular a alimentação saudável, a prática da atividade física, a redução do consumo de álcool e do tabagismo, práticas que ajudam a prevenir doenças crônicas não transmissíveis.

As ações envolvem a divulgação de informações sobre promoção da saúde, estimulando seu compartilhamento por meio das redes sociais e aplicativos; o lançamento do site www.secuidasc.sc.gov.br; a publicação de reportagens com dados estatísticos sobre as doenças crônicas não transmissíveis mais incidentes em homens e mulheres; e a organização de dois grandes eventos: o primeiro, no dia 15 de outubro, com foco no estímulo à alimentação saudável e à prática da atividade física; e no dia 26 de novembro, com ênfase na redução do consumo de álcool e na cessação do tabagismo; ambos no Parque de Coqueiros, em Florianópolis, das 9h às 13h.

O movimento #secuidaSC promovido pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina contará com o apoio de diversos parceiros na oferta de serviços e informações à população, entre eles o artista plástico Luciano Martins, que desenvolveu personagens exclusivos para o movimento #secuidaSC.

Os dados epidemiológicos indicam que os principais fatores de risco das doenças e agravos mais recorrentes entre as mulheres são a má alimentação e a falta de atividade física. Entre os homens, o uso abusivo de álcool e o tabagismo estão entre os fatores prevalentes.
Em Santa Catarina, dos 39.242 óbitos relatados em 2015 por todas as causas, 28.839 foram devidos a doenças crônicas não transmissíveis, o que equivale a 73,5% do total. Destes, as doenças cardiovasculares foram responsáveis por 10.666 mortes (27%), principalmente o infarto agudo do miocárdio, o acidente vascular cerebral e a insuficiência cardíaca. As neoplasias responderam por 8.235 do total de mortes (21%), sendo mais prevalentes entre os homens o câncer de pulmão e o de próstata, e entre as mulheres o câncer de mama e o de pulmão. As doenças respiratórias crônicas responderam por 2.669 mortes (6,8%), principalmente as doenças pulmonares obstrutivas crônicas, e o diabetes mellitus por 1.759 (4,5%).

“Vida sedentária, alimentação com alto teor calórico e o consumo de álcool e de tabaco são comportamentos que interferem diretamente nos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis, como excesso de peso e obesidade, pressão arterial elevada, aumento dos níveis de glicose e colesterol. Estes fatores podem levar ao desenvolvimento do diabetes, das doenças cardiovasculares e de diversos tipos de câncer. A partir dos 50 anos de idade, o risco de morte por doenças crônicas não transmissíveis quase triplica. Isto demonstra que a adoção precoce de hábitos saudáveis é fundamental para mudança deste panorama”, alerta a médica Jane Laner Cardoso, chefe da Divisão de Doenças e Agravos Não Transmissíveis da Vigilância Epidemiológica.

 Fonte: Secretaria de Estado da Saúde

OUTUBRO ROSA | Alimentação saudável e exercícios ajudam a combater câncer de mama

Comer frutas e legumes, beber muita água e fazer exercícios são hábitos indicados para prevenir doenças, mas nem sempre é fácil encaixá-los na rotina. Na campanha contra o câncer de mama de 2016, a Sociedade Brasileira de Mastologia vai frisar a importância de uma vida saudável como forma de combater o câncer de mama. Este ano, a estimativa é que 60 mil brasileiras sejam diagnosticadas com a doença, que é a que mais mata mulheres no país.

A campanha contra o câncer de mama da SBM começou hoje (1º) com o tema “A vida pede atitude. Movimente-se: faça mamografia anualmente”, e destaca que o diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento rápido e a cura da doença. A iniciativa foi pensada a partir de pesquisa recente da entidade, que mostra que o risco de desenvolver a doença aumenta em mulheres com excesso de gordura corporal no abdômen na pré e na pós-menopausa.

A coordenadora da pesquisa, Jordana Carolina Marque Godinho Mota, que comparou grupos de mulheres atendidas no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás, disse que os alimentos saudáveis ajudam a regular o metabolismo. Por outro lado, produtos açucarados, industrializados e gordurosos desregulam as funções do corpo.

“A alimentação inadequada altera hormônios corporais, como, por exemplo, a insulina. Quando aumenta a quantidade de insulina que o corpo precisa para absorver a açúcar no corpo essa insulina pode agir na mama causando alteração, favorecendo o câncer”, explicou.

Com base nos dados, a pesquisadora constatou que a chance de desenvolver o câncer de mama cai de 74% para 49% em quem tem uma vida saudável. Ela recomenda que as mulheres já saiam de casa com a alimentação planejada para o dia todo, fazendo pequenas refeições a cada três horas, em média, evitando alimentos industrializados, refrigerantes, frituras e gorduras. As medidas, segundo Jordana, também valem para as pacientes que estão no tratamento contra a doença.

A SBM também incentiva os médicos a fazerem um atendimento completo, com paciência, além de defender ampliação do acesso à mamografia, exame que depende aparelho específico. Outra preocupação da entidade é a diminuição do tempo entre o diagnóstico e o tratamento, que não pode passar de 60 dias. As mulheres também têm direito a uma cirurgia reparadora, se necessário.

Mulheres com mais de 40 anos devem fazer exames anuais. “De um ano para o outro, um caroço pode aumentar muito e dificultar o tratamento”, disse a pesquisadora.

Dicas de hábitos saudáveis para evitar o câncer de mama:

. Comer a cada três horas, em pequenas quantidades
. Priorizar alimentos naturais e evitar os industrializados
. Evitar açúcar e carboidratos, especialmente refrigerantes, pão branco e macarrão
. Reduzir a ingestão de gorduras
. Comer proteínas, frutas legumes e verduras

Fonte: EBC

Dormir na postura correta favorece saúde do corpo inteiro

Especialistas advertem sobre conseqüências de dormir de forma incorreta

dormindoPassamos aproximadamente um terço de nossa vida dormindo. Dormir bem é essencial para melhorar a qualidade de vida e até aumentar a longevidade. Sem o merecido descanso, o organismo deixa de cumprir uma série de tarefas importantíssimas. Especialistas acreditam que a principal peça dessa engrenagem é a melatonina – hormônio produzido no cérebro pela glândula pineal. Ele começa a ser secretado assim que o sol se põe, como um aviso para o organismo se preparar para dormir. Portanto, é durante o sono, que todo o corpo se recompõe e se prepara para o dia seguinte.

“O momento do sono é reparador e se tomarmos alguns cuidados com a postura, poderá fazer uma grande diferença para a saúde de nosso corpo como um todo. Dormir alinhado e na postura mais adequada, que é a de lado, poderá interferir positivamente na qualidade do nosso sono”, afirma a fisioterapeuta Silmara Rodrigues Bueno, pesquisadora em postura do sono. “A postura correta ao dormir, com o auxílio do travesseiro correto para o seu biótipo, favorece a anatomia fisiológica da coluna vertebral e esta anatomia irá contribuir com o alinhamento do corpo para chegar mais próximo da postura fisiológica humana, evitando rotações, trações, hiperextensões no funcionamento correto de todo o corpo”, afirma a fisioterapeuta.

Outra vantagem também da postura lateral é na prevenção de roncos e até mesmo nos casos de apnéia do sono, que são caracterizadas por interrupções breves e repetidas da respiração quando estamos dormindo.  “Dormir de barriga para cima é uma das causas que pode provocar a apnéia, pois esta posição gera um grande estreitamento das vias respiratórias”, assegura o médico Drº Flávio Aloé que é Neurologista e Neurofisiologista do Sono e Médico Especialista em Medicina do Sono pela Sociedade Brasileira de Sono.

Outro ponto a ser destacado é o ronco que também é um distúrbio do sono causado pela má postura ao dormir, pois a língua cai sobre a glote dificultando a troca gasosa. “A postura lateral facilita então esta troca gasosa que ocorre durante o sono e diminui o ronco”, afirma Dr. Flávio.

Dormir na postura correta acarreta benefícios para todo o organismo a curto, médio e mesmo a longo prazo. Um exemplo é a influência da postura ao dormir desde criança para a saúde bucal. Durante o sono, o corpo libera o hormônio do crescimento, o GH, e dormindo na postura inadequada, sua coluna fica desalinhada e consequentemente ocorre o desalinhamento esquelético, acarretando no desalinhamento maxilar, dentes, mandíbula e até da face. “É fundamental que os pais se preocupem, com a postura correta das crianças para evitar futuros problemas bucais. A postura alinhada faz toda a diferença no desenvolvimento da dentição e na respiração noturna e na formação do esqueleto axial da criança”, comenta Silmara Bueno.

Fonte: Bem Paraná