Brasil avança no diagnóstico do câncer de mama

No primeiro semestre deste ano foram realizados 1,8 milhão de mamografias, sendo 1,1 milhão na faixa etária de maior incidência (50 a 69 anos) do câncer de mama

Desde a década 90, o mês de outubro tem sido dedicado ao trabalho de conscientização sobre o câncer de mama, tipo mais letal entre as mulheres e que afeta, por ano, mais de 57 mil brasileiras. Este ano, a campanha do Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), “Câncer de mama: vamos falar sobre isso?”, tem como objetivo desconstruir os mitos associados à doença. Entre os alertas, a importância da detecção precoce, a partir da orientação do médico e da realização da mamografia.

Nos últimos anos, o acesso a exames no Sistema Único de Saúde, assim como tratamento da doença tem sido ampliado gradativamente. De janeiro a junho de 2015 foram realizados 1,8 milhão de mamografias no país, 31% a mais que no mesmo período de 2010 (1,4 milhão de exames). O crescimento é ainda maior, de 51%, quando comparados os exames realizados entre mulheres de 50 a 69 anos (faixa etária prioritária) nos primeiros semestres de 2010 (724.409) com 2015 (1.092.577).

Continue reading

Conheça mitos e verdades sobre o câncer de mama

Se descoberta do câncer de mama é um choque para a maioria das mulheres, a confusão sobre as origens da doença alimenta mitos que podem atrapalhar a identificação do problema. O chefe da unidade de oncologia do Hospital Universitário de Brasília (HUB), Marcos Santos, avalia que as pessoas tentam “adiar” a doença reproduzindo esses mitos.

“A gente tem essa tendência, quando não consegue explicar alguma coisa do ponto de vista científico, de buscar alguma explicação que nos tranquilize. Até para pensar que estamos mais distante da doença e saber do que a gente está se protegendo” avalia.

Continue reading

Cura do câncer de mama em SC chega a 86%, índice de países como Estados Unidos e Inglaterra

No mês de conscientização sobre a prevenção do câncer de mama e do Movimento Outubro Rosa, o Centro de Pesquisas Oncológicas (Cepon) destaca índice de 86% de cura entre suas pacientes. Patamar equiparado ao de países como Inglaterra e Estados Unidos. Registros do Instituto Nacional do Câncer (INCA) revelam ser o câncer de mama  o tipo mais comum da doença entre as mulheres no mundo e no Brasil, respondendo por cerca de 25% de casos novos a cada ano. A instituição projeta para 2015 o surgimento de 57.120 novos casos no país.

Com base nesses dados, a diretora do Cepon, Maria Tereza Evangelista Schoeller, destaca a importância da conscientização e faz um alerta sobre a alta incidência da doença de um modo geral. “Eu diria que esse alerta deve permanecer não só durante o Outubro Rosa, mas ao longo de todo o ano”, comenta Maria Tereza.

A estatística mais pessimista, de acordo com a médica, aponta que uma em cada quatro mulheres pode ter câncer de mama. “É uma doença extremamente predominante. Por isso, é fundamental consultar o ginecologista e fazer o exame das mamas”, observa a diretora do Cepon.

O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos. O diagnóstico precoce aumenta em 90% as chances de cura. Selma Kinczeski, 58 anos, sabe a importância do auto-exame e da avaliação clínica. Continue reading